Selo de Procedência garante fidelidade aos nossos produtos

Enquanto estratégia de fortalecimento da agricultura familiar, a agricultura ecológica é o começo de um processo de mudanças futuras, seja na base produtiva das propriedades, com a incorporação de técnicas diferenciadas para correção dos solos, controle de "pragas", doenças e ervas "daninhas", bem como nas formas de organização dos agricultores para que possam superar e avançar as barreiras da comercialização.


Teresópolis produz 80% dos produtos do mercado de agricultura do grande Rio (região metropolitana), além de atender toda a região dos lagos, costa verde indo até Ubatuba (SP), Juiz de Fora (MG) e municípios do norte fluminense. O município é também o maior produtor de tangerina ponkan do Estado e o sétimo do Brasil. Porém, poucas pessoas conhecem tais fatos e a produção sai de nosso município, se mistura entre tantos outros produtos de diversas outras cidades, nos negando, assim, o reconhecimento de qualidade por parte do consumidor e a falta de fidelidade para com os nossos produtos. Sendo um dos pilares da economia teresopolitana, a agricultura é uma das principais geradoras de empregos diretos e indiretos por unidade de capital investido e motiva, desde os tempos mais remotos da história da cidade, infinitas ações com objetivo de melhorar as condições de plantio, produtividade e qualidade dos produtos.

Fortalecer e expandir a cadeia de produtos agrícolas de Teresópolis com o uso racional dos recursos naturais é o objetivo da ACIAT e, foi pensando em dar um fim a esse anonimato, que a Diretoria de Agricultura da entidade desenvolveu o "selo de procedência".

Num mercado globalizado, no qual o acesso a produtos é cada vez menor, os chamados selos de indicação de procedência tornaram-se um poderoso instrumento de marketing e um grande diferencial. Sua função é tornar explícitos para o consumidor os padrões mínimos de qualidade do produto, de acordo com as características geográficas e culturais da região em questão. São esses selos - verdadeiras grifes - que há décadas conferem prestígio e incrementam as vendas de diversos produtos mundo a fora. Mesmo aqueles que ainda não tenham degustado uma taça de vinho Bordeaux, uma fatia de bacalhau norueguês ou baforado os famosos charutos cubanos, sabem que a procedência é garantia de qualidade. No Brasil, as iniciativas nessa área ainda são tímidas, com projetos em fase de implantação por parte de produtores de cachaça, flores e carne.

A partir de agora toda a produção agrícola do município receberá este selo que irá acompanhá-la até seu destino final. Além de oferecer ao consumidor esclarecimentos sobre o que a cidade produz o selo também irá permitir que haja comparação entre os frutos. Outra vantagem do "Selo de Procedência" é a contribuição na organização e classificação do produto e, principalmente, na formação futura de um associativista. Este modelo irá facilitar e baixar o custo da produção para os agricultores donos de terras e meeiros que são, em sua grande maioria, pequenos produtores cujo empenho, durante todo o processo de produção, é realizado pelos próprios membros da família.

A ACIAT se responsabilizou pela confecção de 1.100.000 etiquetas com distribuição gratuita entre os produtores. O mesmo também foi impresso nas sacolas plásticas, que foram oferecidas gratuitamente aos produtores que adquiriram o selo.

O pré-lançamento do "SELO DE PROCEDÊNCIA" aconteceu em novembro de 2007, no Rancho Vista Alegre, em Campanha (3º distrito de Teresópolis), durante o III Encontro de Parceiros e Amigos do produtor que teve a participação de mais de 1.500 produtores que conheceram mais um diferencial a ser incorporado em toda a produção agrícola de Teresópolis.

O lançamento oficial do selo aconteceu na 25ª edição da FEPORT (Feira do Produtor Rural de Teresópolis"), em setembro de 2008.